Um português pra lá de liberal: a experiência de Nova Lousã na segunda metade do século XIX

Por Gustavo Barreto (*)
Vista geral de Nova Lousã (sem data). Foto: meioseculodeaprendizagens.blogspot.com.br

Vista geral de Nova Lousã (sem data). Foto: meioseculodeaprendizagens.blogspot.com.br

Era recorrente na imprensa brasileira favorável à imigração europeia a propaganda explícita a favor deste tipo de atividade, na tentativa de acelerar a substituição da mão de obra escrava pela imigrante. Mesmo passando desapercebido para um leitor contemporâneo desavisado, havia algo de diferente, no entanto, em uma matéria publicada pelo jornal republicano A Província de S. Paulo em julho de 1875, sob o título “O melhor meio de atrair imigrantes”1:

Hoje devem descer para Santos, com destino a Portugal, alguns colonos da Nova Lousã, propriedade do sr. Comendador J. E. de Carvalho Monte-Negro, os quais, estando terminado o prazo do contrato e tendo feito economias, voltam à terra da pátria satisfeitos, senão ricos, ao menos com meios de viverem sem privações e talvez em tal ou qual abundância. Entre esses colonos há mulheres e até famílias completas.

Este fato, honroso para o diretor daquela colônia, já tão conhecida entre nós, é uma excelente recomendação para ele continuar a merecer a confiança dos seus compatriotas. Relativamente à imigração de Portugal, esta volta dos colonos da Nova Lousã deve merecer muita influência em favor de nosso país e especialmente da província de S. Paulo.

Se de outras colônias partissem para a Europa colonos felizes e satisfeitos como estes, depois de terminados os seus contratos, outra seria a corrente de imigração européa para cá. Registremos solenemente o fato e fique ele como um bom exemplo a ser seguido.

A curiosa história do português João Elisário de Carvalho Montenegro – ou o “Comendador Montenegro” –, nascido no município de Lousã, próximo a Coimbra, começa com a sua vinda para o Rio de Janeiro em 1840, onde deu início às atividades de caixeiro-viajante, obtendo grande sucesso. Em 1867, segundo o registro de Ana Silvia Volpi Scott e Oswaldo Mário Serra Truzzi2, Montenegro resolveu investir seu capital na compra de uma propriedade em Pinhal, interior de São Paulo, e “pôr em prática suas ideias sobre a melhor maneira de se administrar uma lavoura de café”. Assim surge Nova Lousã, em uma região (Mogi Mirim) em que um quarto da população era composta de escravos.

À época, o clima de desconfiança já era grande entre muitos imigrantes, principalmente devido às promessas não cumpridas pelas empresas encarregadas de atrair imigrantes e do abandono de muitas colônias por parte do governo imperial. O trabalho livre dos imigrantes, no entanto, já vinha crescendo desde que entrou em vigor a Lei Eusébio de Queiroz (1850), proibindo o tráfico transatlântico de escravos.

A Estação de Nova Lousã em 1910. Foto: meioseculodeaprendizagens.blogspot.com.br

A Estação de Nova Lousã em 1910. Foto: meioseculodeaprendizagens.blogspot.com.br

Scott e Truzzi destacam que Nova Lousã trazia uma novidade para a época: além de utilizar somente trabalhadores livres, pagava-se salários mensais. O comum naquela época era o chamado “sistema de parceria”, lembram os autores. Idealizado pelo senador Vergueiro (1778-1859), o sistema de parceria baseava-se em um contrato que destinava à família do colono um certo número de pés de café para o cultivo e uma determinada área de exploração para subsistência.

“A remuneração era proporcional ao montante de gêneros produzido pela família, descontadas as despesas de transporte, adiantamentos e recursos para a instalação inicial. Vergueiro adotou este sistema na Fazenda Ibicaba, de sua propriedade, localizada no município de Limeira. De lá, a prática se espalhou por São Paulo”, destacam Scott e Truzzi, acrescentando: “O sistema de parceria tinha claras desvantagens. A principal era a incerteza dos colonos quanto ao lucro que teriam. Geadas, pragas e outros problemas podiam afetar os cafezais e comprometer a produção. Sem falar no clima de desconfiança quanto à lisura dos fazendeiros – afinal, não havia como conferir as condições de negociação e o preço de venda obtido”. Na contramão, Montenegro garantia aos seus colonos o pagamento de salários fixos.

A experiência alternativa do proprietário de Nova Lousã adotou ainda mecanismos inéditos para regular e disciplinar direitos, deveres e a convivência entre os colonos. Em agosto de 1872, destacam os autores, uma assembleia de empregados da casa criou o “Regulamento Administrativo e Policial” da colônia. Enquanto a imensa maioria das fazendas paulistas regulava suas relações de trabalho pela chibata e pelo despotismo absoluto de seus proprietários, Montenegro propôs que da assembleia participassem, com direito a voto, “todos os empregados da colônia, homens e mulheres”. E mais: as mulheres podiam votar mais cedo, aos 16 anos; os homens, só aos 18. Ainda segundo Scott e Truzzi, as reuniões podiam ser convocadas pelo proprietário ou por iniciativa de metade mais um dos empregados da fazenda. E as medidas eram decididas em votações secretas.3

Foto: meioseculodeaprendizagens.blogspot.com.br

Foto: meioseculodeaprendizagens.blogspot.com.br

O governo imperial, que muitas vezes foi acusado de abandonar à própria sorte colônias por todo o país, mais uma vez falhou em apoiar a iniciativa, segundo o próprio Montenegro. E a reação veio de modo cordial, para usar um termo de Sérgio Buarque de Holanda que parece caber bem no episódio: “A Nova Lousã é antes uma família do que uma colônia, e separa-se dos outros estabelecimentos análogos da província por este lado, tanto como pelo sistema de trabalho que adotou. É por certo uma tentativa digna de todo o interesse e simpatia, e o seu proprietário já tem feito muito. É cedo, porém, para decidir se os resultados que tem alcançado são devidos às excelentes relações que mantém com os empregados ou se às regras que regulam essas relações”, registra o documento de um comissário do governo imperial enviado para conhecer a colônia em 1870.

Segundo os autores, a fazenda tinha 80 moradores em 1872 e, sete anos depois, a população chegava a 124 colonos. Em 1878, até D. Pedro II chegou a visitar a colônia, que acabou fechando três meses antes do fim oficial da escravidão por dificuldades financeiras. Em várias ocasiões, registram Scott e Truzzi, Montenegro se queixou do descumprimento, por parte do poder público, de contratos firmados para subsidiar a vinda de imigrantes.

NOTAS

1 RHBN, nº 36, setembro de 2008, http://www.revistadehistoria.com.br/secao/artigos-revista/o-valor-do-trabalho

2 Id.

3 O artigo completo sobre esta experiência, conforme citado acima, está em http://www.revistadehistoria.com.br/secao/artigos-revista/o-valor-do-trabalho

Share
(*) Gustavo Barreto (@gustavobarreto_) é jornalista. Acesse também pelo Facebook (www.facebook.com/gustavo.barreto.rio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *